domingo, março 21, 2010

Outono

Haverá melhor maneira do começar a estação?




Katie Price

sábado, março 20, 2010

Fantasy Party

Hoje vou a uma festa vestido de presidiário!




Não sei como de lá vou escapar...

quarta-feira, março 17, 2010

Telescola

Quando teu filho perguntar por que deve estudar, seja didático ao convencê-lo.




domingo, março 14, 2010

Ditados meus

Uma mulher tentando impressionar um homem é uma tentação; um homem tentando impressionar uma mulher é uma frustração.




Juro que fui trapezista...

Contra mão

Reli o post anterior e percebi que não fui imparcial. A bem da verdade é que não torço para a Ferrari e sei que há mulheres que também gostam de F1.
Seria eu, injusto, se publicasse apenas imagens de belas mulheres. Aqui no Exatos tento agradar a todos e a todas.

Fica aqui o registro para aquelas que gostam do tipo viril, másculo, sujo de graxa. Sorte delas, falta de sorte do Felipe Massa, aliás, duplo azar, ter chegado em 2°, e com seu maior rival em 1°.




Dizem que um azar nunca vem só...

F1 2010

Começou hoje a temporada 2010, regulamento novo, regras novas e as musas de sempre... e já teve dobradinha da Ferrari com Fernando Alonso e Felipe Massa.




E eu que amo velocidade...

terça-feira, março 09, 2010

BIG DATA

Ontem o mundo comemorava mais um dia da mulher.




Esta foto teria hoje pelo menos a etnia afro; vivemos num mundo melhor!

quinta-feira, março 04, 2010

Declaração

Fugir dos impostos é como ir a Roma e não ver o Papa...




O seu contabilista tem pouca fé?

domingo, fevereiro 28, 2010

Ditados meus

O homem lida bem com as alterações do corpo, a mulher entra em pânico.




Emagreci!

sexta-feira, fevereiro 26, 2010

Bom tempo no canal

Aproveitem o fim de semana...



Ela: faz um desejo...

Ele: Crowac! (e saltou para a água...)

Ditados meus

Quem nada lê, de nada sabe! Ler é o melhor remédio!




Mark Lague

terça-feira, fevereiro 23, 2010

Infinito

As estrelas salpicavam o brilho da noite de luar. Na casa de praia onde estavam a divisão era ampla, demasiado ampla, onde o pé-direito elevado se impunha à decoração minimalista.

Uma das paredes do quarto estava completamente coberta por uma tela que ambos pintaram. No centro dela surgia o universo retratado. De um buraco negro caíam as letras desordenadas que formavam maio e agosto. Na parte de cima onde ele pintara, uma orquídea pendia sobre uma caixa de cartão. A caixa apresentava uma ranhura em forma de interrogação embora, se se atendesse ao detalhe, se vislumbrasse um sorriso. Num dos cartões lia-se touro-vênus. As cores escuras eram pausadas mas não sem vigor. O reflexo das palavras refletia um brilho forte que invadia o céu dela. Na parte dela as cores eram mais claras. A mão desenhada tocava com o indicador a caixa com cartões que suspendia-se no limite da imponderabilidade. O céu dela projetava palavras cruzadas formando leão-sol. Da outra mão, um girassol reluzia num agitado amarelo. Mais abaixo a tonalidade passava para um azul da cor do mar, e, do alto até embaixo, ela pontilhou estrelas da mesma cor das estrelas que salpicavam a vida real lá fora.

Ela, mais nova, mantinha a graça que o fascinara. Vestia um fato de banho garrido em cores que animavam uma felicidade que se esbatia. Ele, apesar da hora, arriscou sair. Abriu a porta, desceu a escadaria e correndo pela areia mergulhou de pronto como sempre fazia procurando o fundo do mar numa emersão forçada. Repetiu o gesto várias vezes como se a adrenalina se esgotasse ali.

Uma dor invadiu-lhe o peito, primeiro leve depois crescente. Lembrou que enquanto corria na areia, ele olhara para trás e ela, de pé, o seguia com o olhar, surpresa, mesmo calada. Uma onda imensa o projetou para cima num impulso impossível. Ele tornou a afundar e sentiu uma escuridão que o deixou em pânico.

A dor crescia na solidão que o silenciava. Afundou mais uma vez. Agora estava sem forças, afogado na fria água espumante. Sentiu a vida que nunca teve, chorou um choro nunca ouvido e, por um breve momento, sentiu a presença Dele, do conforto que desesperadamente procurava. Lembrou que ela o encontrara quando se conheceram e temia que não fosse encontrado dessa vez. Estava estranhamente tranquilo, não temia a morte, tão pouco louvava a vida. O silêncio veio para lhe calar os pensamentos, cada vez mais vagos, sempre distantes na infância.

Ela correu a gritar numa determinação cega. Não era fundo e ele sabia nadar. Mas ela sabia que o desmaio dificultaria o resgate. Conseguiu puxá-lo e na respiração boca-a-boca ele mexeu os lábios, sentindo a seda, o frescor suave feminino que o embalava.

Agarrou no braço dela, e, tirando do bolso um papelzinho dobrado e molhado, abriu-lhe a mão e disse-lhe, “está tudo aqui…”. Ela cerrou o punho e afirmou, “nunca o vou ler”. Sorriram num olhar que dispensava palavras.

Subiram a escadaria de volta à casa. “Eu também tenho uma surpresa para ti…”, ele franziu a testa como se esperasse dela essa provocação.

Chegaram ao sótão, um lugar só deles, iluminado por uma pequena clarabóia. Ele acercou-se da luz que dali emanava. O rosto cobriu-se de um branco pálido, a desilusão de não vislumbrar algo que procurava.

“O que se passa?”, perguntou-lhe ele num tom indeciso. “Não vejo a lua… era essa a surpresa?”.

Ela, sem responder, deitou-se no soalho colocando a cara onde os raios terminavam. Ele debruçou-se sobre ela e, perante o espanto, caiu ajoelhado. Os olhos dele, de um cinza esverdeado, eram agora azuis, profundamente escuros. Aproximou-se lentamente da cara dela. Agora tudo era mais nítido; nos olhos dela cintilavam as estrelas que os raios transportavam, nunca vira um céu assim. Na extremidade de um deles veio o espanto, conseguia ver a lua. E no deslumbramento de a contemplar, a lua soltou-se e escorreu pela face dele. Num movimento delicado apanhou a lágrima com um dedo. Pegou na mão ainda cerrada dela e depositou a gota no quadradinho de papel. Sorriu como uma criança e disse-lhe, “agora já o podes ler!”.

"Mas antes, diga-me, o que ocorreu lá fora?".

A luz despontava num incômodo desconcertante. Nunca se sentira tão pleno, emerso em paz.
Arriscou perguntar - onde estive?
Renasceste amor - afiançou-lhe ela, deixando cair uma lágrima que acariciou a face gêmea.

sábado, fevereiro 20, 2010

Tempos de carnaval

Estou bem disposto! Devo ter sorte: tenho o sol, o vento, mar, e estou convencido de que o carnaval nos faz sorrir...
Os foliões acordam cedo. O agito nas ruas, o ritmo frenético das músicas, o suor daqueles que dançam.
A festa à espera dos festeiros. À medida que o feriado se arrasta a felicidade transborda na face de cada um.
O exército avança.
Apresentar fantasias! Os carros das escolas enfeitam. Há uma enxurrada de alegorias, de sorrisos e de emoções. Por dias há mistura de gente dos mais variados idiomas, turistas fantasiados de brasileiros.
O exército descansa.
Trocam-se a alegria pelo dia a dia. O trânsito volta, a política reacende, o futebol polemiza e a inflação reaparece... Pensaram em tudo!
O inimigo acorda.
Alguém conecta o computador e vem parar logo aqui. Em outro site anunciavam os mortos nas estradas no período do feriado. O carnaval acabava.
Perdemos a guerra.

sábado, janeiro 02, 2010

Sorte

O Exatos foi informado por fonte fidedigna que os dois ganhadores da Mega Sena da virada, que pagou o maior prêmio da América Latina, apostaram apenas com um cartão cada um. Cada apostador (Brasília e São Paulo) levará a partir de segunda feira pouco mais de R$ 72.000.000,00.
E eu que joguei mais de 100 bilhetes...

Ausência

Antes de me justificar quero agradecer por quem aqui tem passado. A bem da verdade estava tentando publicar sobre a raça humana e resolvi começar do início, Eva. O título do post era, "Entendendo as mulheres!".
Percebi que às vezes o que não tem solução é melhor deixar de lado... Espero que entendam que certas coisas nem os gênios podem explicar!




quinta-feira, junho 25, 2009

Rei do Pop

Quando a morte cala o sucesso.




Silêncio...

domingo, junho 21, 2009

Inverno





21 de Junho a 23 de Setembro

domingo, maio 10, 2009

Mães





Dia das Mães

sexta-feira, maio 01, 2009

Merecimento

Um desejo para o fim de semana que se avizinha.




segunda-feira, abril 27, 2009

Código Morse e Telegrafia





Aniversário de Samuel Finley Breese Morse

quarta-feira, abril 22, 2009

Ditados meus

Depois dos feriados vem a ressaca.




Preguiçoso, eu?!

segunda-feira, abril 13, 2009

Lambuza

Na Páscoa comi coelhinhas de chocolate preto e branco!




Dizem que o meio amargo faz bem ao coração...

quinta-feira, março 19, 2009

Escapadela

Meus amigos, a necessidade que tive de me afastar não foi nada além do que podemos chamar falta de ideias. Confesso que andava com a criatividade em baixa. Sei também que não posso deixar o Exatos às escuras, ainda mais quando se conquista tamanha audiência. Por dias esqueci como se escrevia. Fez-se luz, um reduto de esperança, haverá escuro que resista?




segunda-feira, março 02, 2009

Notícias que vão mudar o mundo (parte 13)

Mulher mais velha do Brasil completa 129 anos.




Não tentem fazer isto em casa!

sábado, fevereiro 28, 2009

Ditados meus

Quem planta colhe.




quinta-feira, fevereiro 26, 2009

Londres é ali

Porque o carnaval acabou e me apetece ouvir música de qualidade.




Couldplay para os afônicos!






Couldplay para daltônicos!

quarta-feira, fevereiro 25, 2009

Conversas improváveis

Ele: querida, no carnaval do ano que vem vou te levar para uma ilha deserta pelos nossos dez anos de casados...
Ela: uau amor! Ando merecendo tanto assim?
Ele: e daqui a mais dez anos volto para te buscar!




quarta-feira, fevereiro 11, 2009

Etiquetados

Há pessoas que vivem de aparências...




O telefone é Nokia, a écharpe é Dior e o cinzeiro é Siza... Ah! E o cabelo é Beauté!
O mordomo vem atrás com as malas!

Mea culpa

O ritmo acelerado da minha vida tem prejudicado a cadência deste blog.
Faço o que posso...




Acelerado? Hahahaha!

terça-feira, fevereiro 03, 2009

Brilho e contraste

Há loiras oxigenadas mas eu prefiro as implícitas!




Carolyn Murphy

This page is powered by Blogger. Isn't yours?